Reflexões sobre o último episódio de Game of Thrones

Entre mortos, feridos e lágrimas, salvaram-se as surpresas.

Antes de iniciar esse texto, vale o alerta. Se você, internauta distraído, acompanha a série Game of Thrones da HBO e não viu todos os episódios exibidos até agora, pare de ler isso. Se não conferiu toda a quinta temporada, fuja, corte a luz, desligue o telefone, cubra o facebook de sensores porque spoilers estão chegando. Uma página, uma foto, e horas na frente do monitor virarão desapontamento. Bom... você teve um parágrafo para ser avisado. Se seguir, a culpa é sua.

Quanto a você, que se manteve em dia e ainda se recupera do choque de “Mother Redemption”, cá vão meia dúzia de reflexões.

Para começar, pare com esse choro. Matar Jon Snow foi sacanagem, eu sei, mas é cedo para fazer “voodoos” dos roteiristas e do pobre Martin. Oitenta por cento do que ocorreu nesse episódio repleto de tragédias é inconclusivo. Sansa se jogando do muro do castelo com Theon... Inconclusivo. Nenhum dragão vai aparecer para pegá-los no ar, mas é possível que sobrevivam, sabe-se lá em que condições. De repente ela cai em cima de Theon, já amortecido pela neve espessa, sobrevive, com Greyjoy morrendo em seu lugar. Ramsey e as arqueiras psicopatas seguem em seu encalço até darem de cara com Brienne e... ops! Legal, hein?

Já Stannis, cujo fim não testemunhamos, deve ter ido para o beleléu. Não há futuro dramático para esse personagem, e o público precisa do gostinho de sua morte. Ver Brienne vingando o fim de Renly só não foi melhor porque Stannis se recusou a dividir sua culpa com Melisandre. Debaixo de tanta egolatria e sede de poder, ele tinha um restinho de honra reservado para o final. Assumiu a morte de Renly, não pediu para ser poupado, não implorou, não chorou, não lamentou, não correu ao perceber que sua investida seria um fracasso. Homem de caráter dúbio e deteriorado pelo modo como Melisandre usou suas fraquezas para fazê-lo cumprir uma suposta profecia, não foi fraco na hora de encarar os pecados e a morte.

Arya é outra incerteza. Ficar cega no finzinho de sua aparição pode ser algo temporário (torçamos). Melhor que sua revanche contra o cavaleiro que virou pedófilo no último minuto para incrementar nossa sede de sangue, foi a cena seguinte, onde Jaqen H´ghar mudou de rosto, mudou outra vez, e... Pera! Não foi lá pela segunda temporada que H´ghar se borrou ao escutar o próprio nome da boca de Arya como o próximo a morrer numa lista? Se H´ghar havia se transformado num “ninguém”, aberto mão do nome, do ego, da identidade, então Jaqen H´ghar não devia significar nada para Jaqen H´ghar, pois H´ghar era um ninguém, certo? Erro de roteiro? Não creio. Já a última cena, apesar de brega nos efeitos (ou seriam DEfeitos?), nos deu insights sobre o futuro do núcleo dos dois. Então o cara que vemos o tempo todo com o rosto de Jaqen H´ghar não é uma pessoa, mas várias? E Arya? Virará mesmo um “ninguém” após 4 temporadas querendo vingança?

Tivemos, além disso, a “caminhada” de Cersei, melhor cena do episódio, o Montanha Frankenstein (“He´s alive! He´s alive!”) e muitas interrogações cercando o futuro de Porto Real. Quero, entretanto, ir logo ao núcleo da celeuma pós-“Mother Redemption”. A aparente morte de Jon Snow. Cersei e afins ficam para outra postagem.

Um fã poderia dizer que, após vermos Ned, Robb e Catherine Stark irem para a vala e personagens secundários como Ygritte e Shireen, com os quais criamos elos de simpatia, abraçarem o capeta, ver Jon Snow sucumbindo não deveria causar espanto, afinal, a regra é clara. Todos podem morrer. A qualquer hora. Certo, Arnaldo?

Concordo em parte. Todos podem morrer sim, mas tenho dúvidas se a qualquer hora.

Sob o ponto de vista dramatúrgico, mesmo sendo Ned protagonista da primeira temporada, e Robb e Catherine os principais herdeiros de seu legado, suas mortes tiveram propósitos narrativos. A de Ned desencadeou conflitos que moldaram tudo o que veio depois, enquanto Robb e Catherine inauguram o desolamento e a orfandade dos demais Stark, desencadeando suas transformações. Nenhum dos núcleos que o trio habitava ficou sem referência. Robb assumiu o papel de Ned, enquanto Brienne virou a mãe adotiva distante de Sansa e Arya, que, por conta própria, também deram seguimento ao legado da morte dos pais, narrativamente. A partir da quarta temporada, chegamos a um ponto em que Tyrion, Jon Snow e Daynerys viraram o sustentáculo de seus respectivos núcleos, sem sucessores em potencial para tomar seus lugares no elo com o espectador, em caso de morte. O dano narrativo-afetivo que o fim de um desses três abriria no coração do espectador seria maior do que o gerado por Ned, Robb e Catherine. Pode-se dizer que, em meio a tantas mortes e destinos cruéis, nossas razões para acompanhar a série tivessem se afunilado, predominantemente, nesse trio.

No caso de Jon Snow, o buraco é mais profundo. Sem ele, tudo o que aconteceu no núcleo “muralha-wildlings-White walkers-patrulha da noite” até agora perde o sentido. Sobrou Samwel Tarly, que se enfiará num mosteiro, mas é pouco. Não vira “sucessor” de ninguém. Davos, Tormund e Melisandre também não têm requisitos para pegar a tocha de Jon Snow em nossa carência dramatúrgica. Se, de fato, Jon não voltar, David Benioff, D.B. Weiss e George Martin precisarão de uma carta muito criativa para preencher essa lacuna e manter o público interessado. Durante meses, milhões de espectadores terão na esperança de ver Jon Snow vivo, ou algo que compense, a luz no fim do túnel de sua longa espera. Não digo que em momento algum um desses três não possa falecer. Penso que se Jon Snow vai morrer, ainda não é a hora. Ned, Robb e Catherine, com suas vidas brutalmente interrompidas, cumpriram um certo ciclo narrativo. Snow está longe disso, muito longe.

Além de fatores funcionais, há indícios no enredo indicando uma volta do personagem. O mais óbvio é Melisandre. Desde sua entrada no Castelo Negro, ficou visível um interesse dela por Snow, como se a sacerdotisa visse algo de grande importância no patrulheiro. Nos livros (atenção, pequeno spoiler dos livros, pule essa e a próxima frase se não quiser ler) isso é explicitado. Melisandre vê a imagem de Jon no fogo e cogita se ele não seria a reencarnação de Azor Ahai que até então ela via em Stannis. Na série, isso não é mencionado, mas sugerido, o que justificaria a insistência da bruxa em levar Stannis para uma batalha que seus soldados consideram perdida. Resumindo: Ou ela viu Azor em Snow e levou Stannis conscientemente para a morte, sabendo que o bastardo de Ned seria traído, podendo então ressuscitá-lo e criar um elo entre ele e seu Deus R´llor, ou a maga interpretou errado suas visões, pensando que os Bolton seriam derrotados por Stannis. Quando soube que mercenários debandaram após o sacrifício de Shireen, compreendeu a verdadeira natureza do que viu. Winterfell não cairia para Stannis, mas para o “outro escolhido” Jon Snow, por isso ela volta ao Castelo Negro. No fim, dá na mesma. Melisandre acha um jeito de reviver Snow, que fica livre do juramento à patrulha e preso ao Deus do fogo.

Claro, também é possível que Jon não tenha morrido e seja salvo no último instante por Melisandre e Davos. Teorias sobre ele ser um Warg e mudar de corpo também pipocam na internet. De minha parte, aposto na ressurreição. Acho improvável terem criado esse recurso na série para nunca usá-lo com um personagem-chave. Alguém lembra da transferência de corpos em Avatar? Pois é. Você apresenta um fenômeno (O ritual dos na´vi, com Sigourney Weaver falhando em passar sua mente para o corpo de um avatar) e depois o utiliza outra vez (mesmo processo funcionando em Jake Sully). Improvável é ver Snow deixando a série. Seu intérprete Kit Harrington até declarou que não faria a sexta temporada. Pode estar mentindo; pode voltar na sétima. Em se tratando de Game of Thrones, tudo é possível, mas uma morte definitiva de Jon a essa altura do campeonato, mesmo possível, é improvável. Teremos, no máximo, um sumiço temporário, penso eu.

Também improvável, embora empolgante, seria uma volta de Khal Drogo, com Daynerys cercada pelos Dohtrakis de saias. O que a aguarda? Final feliz esse ano só teve Tyrion, que merecia uma folguinha depois de tanto sofrimento em Porto Real e a caminho de Meeren. Vê-lo outra vez trocando palavras com Varys foi um dos poucos alentos à nossa angústia de fim de temporada. Vale lembrar também que teremos Bran Stark ano que vem. Segundo o corvo de três olhos, Bran iria voar. Quem sabe ele assume a mente de um dragão?

Em breve, mais reflexões sobre a série.

Leave your comments

Post comment as a guest

0
  • Só sei que todo mundo que ficou de mimimi \"nunca mais vejo GOT de novo\" estará de volta ano que vem ajudando a série a bater novos recordes de audiência. Façam suas apostas. xp

    Like 0 Short URL:
  • Alguns personagens ficaram na completa indefinição mesmo :
    Sansa por exemplo, se ela sobreviver, o que não considero tão impossível, já que não ficou claro se houve alguma preparação anterior ao pulo. Greyjoy ( ou Fedor, o que preferir ) pode muito bem ter preparado tudo antes. A situação toda vai ser o que vai acontecer depois, os dois terão que correr muito, porque quando Ramsey voltar vai ser difícil que ele não queira arrancar a cabeça dos dois. A chance pode mudar com um aparecimento de Brienne ou até do Podrick em ultima hora.
    Reinly deve ter ido mesmo para a tribo dos pés juntos, difícil de imaginar que Brienne não despachasse ele, já que ela segue um código rigido e segundo suas próprias palavras, o condenou a morte. A situação dele estava critica desde que a coisa ficou apertada, para piorar a ideia de matar a própria filha foi o que determinou de vez o desmonte do exército dele: Os mercenários caíram fora ( fidelidade total não existe nestes casos ) e o próprio exército que já estava balançando deve ter perdido toda a fé nele. Afinal qual a confiança em alguém que mata a própria filha? O que causou a chinelada que o exército levou no final de tudo.
    O caso de Jon Snow, creio que Melisandre ( power red sorcerer milf ) vai dar o \"ressurection\" nele, até porque já fora demonstrado antes que os seguidos do deus vermelho conseguem trazer gente de volta a vida, naquele momento em que Arya estava junto daquele grupo de soldados. Então Jon Snow deve comer na mão dela ( ou em outras partes, já que parece que ela está interessada e ele gosta de ruivas ). Só fico pensando em três coisas neste caso :
    1 ) O que impedirá o \"mestre da cebola\", a meter uma adaga na goela da ruiva, já que ele detesta ela e somente a presença de Reinly que impedia isso. Para piorar, se ele souber que ela fora a causa básica do sacrifício da filha do Reinly, a coisa vai ficar feia para o lado dela. Mesmo que a ruiva invoque poderes, ela nunca demonstrou ter muito poder para impedir que seja atacada ( mas pode ser que tenha sempre disfarçado isso, quem sabe? ).
    2 ) O que vai impedir de quando Jon Snow voltar, este ultimo não vá querer detonar com todos os que o deram punhaladas incluindo o pivete Oilie, não houve nenhum indicio de que quem volte, fique com a mesma indole anterior, talvez o Snow volte com um lado sombrio.
    3 ) O que impede os wildlings de detonarem com os corvos, já o que segurava eles era o próprio Jon Snow, pela camaradagem dele com o chefe ruivo, sem o Jon para impedir é mais provável que os corvos forem extintos, porque são minoria, mesmo considerando que muitos dos wildlings são pessoas que não são combatentes por idade ou profissão.
    Já Arya acho que vai ficar muito tempo fora de combate mesmo, a cegueira vai deixar ela fazendo aquele serviço para o H´gar até o mesmo deixar ela voltar ao estado anterior, creio que vá levar um bom tempo, não acho impossível que na próxima temporada ela praticamente não apareça.
    Agora, me parece que o Tyrion entrou na maior das furadas: Virar governante da cidade na qual está praticamente rolando uma guerra civil em baixa escala, sendo estrangeiro e desconhecido de todo mundo. Ele praticamente está com um alvo pintado no corpo. Mesmo que o serviço de espionagem funcione em pleno gás, vai ser uma luta frenética para se manter vivo, a não ser que o período em que passou como gladiador conte como \"uma escravidão honorária\" e os ex-escravos caiam para o seu lado. Talvez assim a coisa fique menos difícil para ele, mas mesmo assim será complicada. Mas o baixinho é o cara, ele deve se safar...
    Cersei deve passar uma tempo se recuperando do trauma, mas como ela é, a não ser que ocorra o milagre de uma reforma íntima devido ao ocorrido, vai voltar querendo o sangue dos carolas e com o exército do rei praticamente na mão dela, vai ser difícil daqueles impedirem alguma coisa, mesmo com o povo a favor deles ( fora que o povo pode começar a comer capim por causa do ocorrido ).
    Daeneris pode até ficar um tempo sem muita relevância. Acho que a posição dela não vai ser a mesma do que era antes, mas pode ser que ela acabe voltando a virar Khaleesi. Tudo também vai depender ser o Dario conseguir achar ela depois. Mas parece que ela tem grandes chances de manter o Drogon como a \"arma de combate\" dela o que dá um certo poder na mão dela.
    A questão maior agora será o reaparecimento do Bran...

    Comment last edited on about 2 years ago by Findreans ( Eduardo Castelhano )
    Like 0 Short URL:

Últimos Comentários

Guest - Romildo lima
Li e Recomendo. simplesmente Alexey rickmann nos mostra que temos grandes potencia na literatura Nac...
Mesmo no novo endereço, que você citou, a loja não existe mais. Conversando com o dono, ele disse qu...
Guest - Leonardo
Na verdade eles se mudaram para este endereço: 33 Avenida Treze de Maio 20031-007 Rio de Janeiro S...
Guest - Karla Lopez
Eu gostei o filme. Lembro dos seus papeis iniciais, em comparação com os seus filmes atuais, e vejo ...
Guest - Ogro
Fala, Chança!!!! Gostei do texto... Essa é uma das poucas estórias do Super que eu curto. Um grand...

Login