Jogo Zombicide

Fui apresentado a esse jogo por um amigo. Eu sempre tive uma certa reserva à temática zumbi. Alguns modismos e roteiros mal feitos me levaram a isso. Mas aí eu pensei: É só um jogo, vamos experimentar. E não é que eu adorei!! Sensacional!!

Lançado nos EUA pela Guillotine Games em 2012 e trazido ao Brasil pela Galápagos Jogos, Zombicide é para até 6 jogadores, possui 3 caixas básicas cada uma com miniaturas cartas e regras próprias com tudo o que você precisa para jogar, e diversas expansões que trazem mais regras particulares e mais miniaturas. Todas as caixas básicas ou temporadas, são compatíveis entre si nos dando uma gama vasta de cenários e dificuldades ainda mais incrementadas pelas expansões.

O jogo se passa num cenário pós-apocalíptico onde uma doença transformou a maioria da população em zumbi. Exatamente isso! Foi baseado na ideia em que um iluminado teve em transformar o tema zumbi numa análise da nossa sociedade, mas não se preocupem, o jogo não é tão elaborado assim e só usa o cenário como pano de fundo, o principal são os combates. Os jogadores assumem os papeis dos humanos que não contraíram a doença, tentando sobreviver cumprindo as missões, procurando pelos poucos recursos disponíveis.

O ponto alto desse jogo é ser cooperativo. Os jogadores podem controlar mais de um sobrevivente e o sistema do jogo cria os eventos aleatórios com que o grupo tem que lidar. Lembra um pouco RPG, já que conforme o grupo ganha experiência, pode-se montar missões próprias e depois de cada evento gerado pelas cartas e situações, os jogadores confabulam entre si para decidir uma estratégia que os permita vencer. Obviamente a decisão final é de cada jogador, mas após sofrer algumas derrotas o grupo chegará à conclusão que é melhor cooperar.

A primeira temporada tem as regras mais simples e após lê-las, escolhe-se uma missão de acordo com a parte final do livro de regras. Então dispõe-se as peças de cenário, as peças que ajudam a compor a missão, como objetivos, entradas, saídas, portas, carros, etc. Ao final da fase de preparação coloca-se no tabuleiro as miniaturas dos personagens que vão ser controlados pelos jogadores. Os personagens então começam o jogo e cada um faz suas ações ou movimentos de acordo com suas habilidades, há uma vasta quantidade de habilidades especiais fazendo que os grupos se completem. Com o passar dos jogos as pessoas vão percebendo quais personagens se encaixam melhor nas missões e alguns deles vão se tornando seus preferidos simplesmente.

Os a quantidade de zumbis que aparece é determinada pelo sorteio das cartas de zumbi e a direção de onde eles vem, é determinada pelo sorteio das entradas nos dados. Essa regra é da terceira caixa Rue Morgue, mas acho a melhor maneira e jogaria assim também nas edições anteriores, torna as coisas mais imprevisíveis. Conforme eles entram as miniaturas são dispostas no tabuleiro, dando uma clara visão da situação, quantidade de inimigos e distância dos personagens. Sabendo disso cada um toma a sua decisão do que fazer. O grupo começa o jogo praticamente desarmado e sem suprimentos, eles têm que explorar as áreas e os lugares fechados em busca de armamento para sobreviver.

Cada rodada tem dois turnos, primeiro é o a vez dos jogadores e depois dos zumbis, o tempo está correndo, pois no fim de cada rodada novos zumbis são sorteados e cada vez que uma porta é aberta, uma carta de entrada de zumbis é sorteada para cada cômodo que essa porta revela. Conforme a matança segue, os personagens vão ganhar pontos por cada objetivo alcançado e cada inimigo eliminado e conforme os pontos, eles avançam na ficha para a os níveis de batalha determinados por cores, azul, amarelo, laranja e vermelho. Quando um personagem avança de nível, automaticamente número de zumbis que entra aumenta quando as cartas são sorteadas. Não deixa de ter explicação, como os zumbis seguem o barulho quando não estão vendo ninguém e as armas e o movimento dos personagens fazem bastante barulho, conforme os zumbis vão morrendo mais deles escutam o som e se dão conta de que há uma batalha em curso e onde há escaramuça há humanos para serem devorados. Essa é uma explicação básica do jogo, cada caixa e sua expansão tem suas regras e peculiaridades.

A versão nacional é totalmente em Português, porem como os americanos o fabricam cabendo apenas a distribuição ser feita pela editora nacional, o jogo está em falta há vários meses e até agora sem previsão de volta. Apenas a terceira caixa básica Rue Morgue, você consegue achar. As duas anteriores e algumas expansões estão esgotadas e sem previsão alguma de voltar. Esse jogo terá um grande destaque e será uma das estrelas da convenção de jogos que o correrá no Rio de Janeiro. Se você gostou quem sabe tenhamos uma surpresa e o material dele seja relançado.

E você já conhece? Já jogou? Comente!

Leave your comments

Post comment as a guest

0
  • No comments found

Últimos Comentários

Guest - Romildo lima
Li e Recomendo. simplesmente Alexey rickmann nos mostra que temos grandes potencia na literatura Nac...
Mesmo no novo endereço, que você citou, a loja não existe mais. Conversando com o dono, ele disse qu...
Guest - Leonardo
Na verdade eles se mudaram para este endereço: 33 Avenida Treze de Maio 20031-007 Rio de Janeiro S...
Guest - Karla Lopez
Eu gostei o filme. Lembro dos seus papeis iniciais, em comparação com os seus filmes atuais, e vejo ...
Guest - Ogro
Fala, Chança!!!! Gostei do texto... Essa é uma das poucas estórias do Super que eu curto. Um grand...

Login