PARTICIPACAO DO PAÍS EM MEGATELESCÓPIO DEVE SAIR DA 'GAVETA'

A importância dada à pesquisa científica no Brasil...


Depois de um ano parado, projeto foi enviado à Casa Civil pelo Ministério da Ciência e seguirá para o Congresso. A iniciativa começa a tirar do papel o primeiro de quatro grandes projetos científicos da pasta.

A adesão do Brasil ao Observatório Europeu do Sul (ESO), o maior complexo astronômico do mundo, deve ser o primeiro grande projeto de expansão da ciência brasileira a sair do papel - isso se o contingenciamento de recursos anunciado ontem pelo governo federal permitir. O Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) acaba de enviar à Casa Civil o termo que define a participação do Brasil no ESO. O documento será apreciado, em seguida, pelo Congresso.

Assinado em dezembro de 2010 entre o então ministro Sergio Rezende e o diretor-geral do ESO, Tim de Zeeuw, o projeto previa um custo para o Brasil de cerca de R$ 555 milhões nos próximos 11 anos. O objetivo é a construção do E-ELT, o maior telescópio terrestre existente na Terra. Em 2011, o processo não avançou, deixando apreensiva a comunidade astronômica brasileira, majoritariamente favorável ao projeto (mas não unanimemente; pesquisadores renomados, como Joao Steiner, da USP, dizem que o custo é alto demais).

O encaminhamento da participação do Brasil no ESO foi o pontapé inicial para tirar do papel projetos milionários de ciência que ficaram parados na pasta de Ciência em 2011. Carteira vazia - A justificativa do governo para a estagnação dos projetos foi o corte de recursos: Aloízio Mercadante, ex-ministro de Ciência, perdeu 23% do orçamento em 2011. Ontem, o governo anunciou mais um corte. O orçamento de Ciência para 2012 ficou em R$ 5,2 bilhões: 20% menor do que em 2011. "Todos esses projetos colocam o Brasil em novo patamar de ciência", disse o secretário-executivo da pasta, Luiz Antonio Rodrigues Elias. De acordo com Elias, a falta de recursos, que agora ficou ainda pior, será driblada por parcerias privadas e com fundações estaduais.
Alem do ESO, também estão em jogo a negociação para a entrada do Brasil no Cern, maior laboratório de física de partículas do mundo, a construção de um novo acelerador de partículas no Laboratório Nacional de Luz Sincrotron (LNLS), em Campinas, e um reator multipropósito.

O acordo com o ESO foi discutido apos a posse de Raupp, em reunião entre ele, Mercadante e Dilma Rousseff para debater a transição na pasta de Ciência. Segundo o jornal Folha de são Paulo, Dilma observou a planilha de gastos dos próximos anos e instruiu que o acordo fosse tocado adiante. Cerca de 50% do orçamento do novo anel de luz sincrotron e do reator multipropósito do Instituto de Pesquisa Energéticas e Nucleares (Ipen) está no PPA (Plano Plurianual), de 2012 a 2015. não se sabe, porem, quando e nem se esse dinheiro será liberado. "Mas estar no PPA já é um grande avanço", avalia José Perrota, do Ipen. Se implementado, o reator suprirá a demanda nacional de radioisótopos, necessários para a produção de fármacos. "não somos concorrentes. O reator é tão importante quanto o novo anel", avalia José Roque, do LNLS.

Já a participação do Brasil no Cern ainda está sendo estudada pelo MCTI. Entrada no projeto melhora imagem do Pais - A organização do Observatório Europeu do Sul já concede direitos plenos de uso dos telescópios aos brasileiros desde a assinatura original do acordo, em 2010. Os europeus estavam ficando impacientes com a falta de progresso e o não pagamento das contribuições exigidas do governo brasileiro. Os atrasos atrapalharam os planos do consorcio de iniciar a construção de seu mais novo telescópio, o E-ELT (que será o maior do mundo quando ficar pronto) e já se discutia, não oficialmente, entre as lideranças do ESO a anulação do acordo com o Brasil, caso não houvesse progressos em seis meses. Ensaiava-se, portanto, uma repetição do vexatório episódio da participação brasileira na Estação Espacial Internacional, em que a Nasa cumpriu todas as exigências (inclusive treinando um astronauta brasileiro), mas o Brasil pouco fez para cumprir sua parte e acabou expulso do consorcio. Com o encaminhamento do acordo para o Congresso, a expectativa é resgatar a imagem brasileira diante de parceiros internacionais. "A maioria da comunidade astronômica brasileira apóia a entrada do Brasil no ESO e comemora o envio da mensagem do acordo para o Congresso via Casa Civil", diz Eduardo Janot Pacheco, astrônomo da USP e presidente da Sociedade Astronômica Brasileira (SAB). ( Fonte: Folha de SP )"

Leave your comments

Post comment as a guest

0
  • No comments found

Últimos Comentários

Guest - Romildo lima
Li e Recomendo. simplesmente Alexey rickmann nos mostra que temos grandes potencia na literatura Nac...
Mesmo no novo endereço, que você citou, a loja não existe mais. Conversando com o dono, ele disse qu...
Guest - Leonardo
Na verdade eles se mudaram para este endereço: 33 Avenida Treze de Maio 20031-007 Rio de Janeiro S...
Guest - Karla Lopez
Eu gostei o filme. Lembro dos seus papeis iniciais, em comparação com os seus filmes atuais, e vejo ...
Guest - Ogro
Fala, Chança!!!! Gostei do texto... Essa é uma das poucas estórias do Super que eu curto. Um grand...

Login