Resenha de filme e de quadrinhos : SUBSTITUTOS

surrogates quadrinhos

 

 

Fiquei devendo escrever este artigo a algum tempo, então segue o mesmo.

Desta vez será um pouco diferente por que ao invés de falar do filme, irei falar dele e dos quadrinhos que o inspiraram.

Em uma sociedade em que os humanos foram gradativamente substituídos por andróides controlados remotamente, por questões de segurança, surge uma ameaça a atual sociedade dominada pelos substitutos ( o nome dos andróides, surrogates no original ). Alguém está destruindo os andróides e também matando os operadores deles, o que era considerado impossível devido ao sistema de segurança da interface que impediria qualquer informação perigosa de retornar ao operador.

Surge, então, a investigação do que estaria acontecendo pela policia da cidade, que também se utiliza de substitutos para fazer seu trabalho.

O policial Tom Greer ( Bruce Willis no filme ) inicia a investigação e acaba no processo, perdendo seu substituto. Então ele decide que irá investigar pessoalmente o caso, ou seja, depois de anos irá sair de casa e fazer o serviço “a moda antiga”.

Basicamente é essa a premissa da historia.

Ela resume o argumento em ambas as mídias. Então fica a questão : O filme é fiel aos quadrinhos?

A resposta é sim e não.

Parece confuso, mas vou explicar. A premissa básica é a mesma, porem o que muda são como as coisas acontecem e as mudanças que foram acrescentadas, para dar mais agilidade e impacto visual no filme.

 

Nos quadrinhos temos uma mídia que também é visual, pois temos as imagens lá para nos transmitir a idéia do que está ocorrendo, no entanto, como as imagens são estáticas por natureza, uma parte fica na nossa imaginação. Por isso, o quadrinho acaba sendo mais voltado ao argumento do que ao visual. Então, há uma preocupação com o background da historia, que fora adicionado como publicações de jornais e como anúncios da empresa que constrói os substitutos.

Ficamos com um pouco do conhecimento do que ocorreu na sociedade, a partir da implementação dos substitutos, que não necessariamente são idênticos aos operadores, alguns são versões melhoradas, outros são completamente diferentes, podendo até ser de sexo oposto ( a alegria de alguns sendo realizada ).

Dentro desta sociedade, há aqueles que por questões financeiras ou por questões religiosas rejeitam a utilização dos substitutos, para esses, houve uma separação de uma área da cidade, na qual, eles ficam isolados como em uma espécie de reserva.

 

surrogates propaganda

 

No filme a parte de background fica muito perdida, pouco se fala sobre isso e há no inicio uma cronologia indicando os avanços que culminaram nos substitutos. A partir deste ponto o argumento segue adiante. Há muitos personagens que são acrescentados na historia e situações que não apareceram nos quadrinhos, mas no todo a linha de raciocínio principal se mantem.

Ele pode ser considerado um filme bom, há ação moderada, efeitos especiais, boas atuações e um bom visual. Não deve ser um filme memorável entretanto, talvez se tivessem investido mais no background da historia teria rendido mais, mas decidiram agradar ao publico atual que é mais dinâmico.

 

cena do filme

 

Dependendo de se preferir mais o argumento fique com os quadrinhos ( que foram lançados como “livro”, o que me faz ficar com duvidas com o que é definido como livro hoje em dia... ), caso não se importe com isso, fique com o filme.

 

Leave your comments

Post comment as a guest

0

People in this conversation

Load Previous Comments
  • Guest - Chanceller Martok (Alexandro Paulo)

    Esse filme tem o mesmo problema de Watchmen, o filme abordou somente a história principal, mas ela perde muito a força sem o background. Tanto Surrogates quanto Watchmen mereciam uma mini-série como aconteceu com Duna, que ficou anos luz melhor do que aquele filme em que aparecia o Sting.

    Like 0 Short URL:
  • Guest - Armus

    Eu gostei da tecnologia wireless que é usada para controlar os substitutos. Apesar de que se fosse aqui no Brasil, vc iria ver neguinho tomando estabaco de 5 em 5 minutos e ouviria aquela voz: "Este substituto está fora de área ou desligado. Temte mais tarde".

    Like 0 Short URL:
  • Guest - Chanceller Martok (Alexandro Paulo)

    Comprei a revista, não sabia, mas a Devir a lançou no Brasil. O preço está salgado R$ 40 pratas. Não se fazem mais revistinhas como antigamente. Depois reclamam que os moleques não lêem. Quem tinha o equivalente a 40 pratas sobrando assim por mês pra gastar em gibi? É claro, ninguém comprava apenas 1. Como eu gostei do filme minha espectativa é muito boa acerca da revista.

    Comment last edited on about 7 years ago by Chanceller Martok (Alexandro Paulo)
    Like 0 Short URL:
  • Guest - Wadson Kosh Dias

    Conta p'ra gente mais detalhes da revista. Quem sabem a gente toma coragem para comprar equivalentes e voltarmos com a cultura dos anos 80 de trocar revistinhas?!?!

    off-topic: gostei muito de colocar imagens de V 2009 no topo do site. Parabéns!

    Like 0 Short URL:
  • Guest - Chanceller Martok (Alexandro Paulo)

    Pode deixar, assim que ler a revista faço um comentário aqui. Gostei dessa idéia de trocar as coisas podemos fazer isso com livros também. Mas vocês não podem só ler, tem que comentar também uai!

    Like 0 Short URL:
  • Guest - carolzinha

    Gostei muito do filme, achei interessante e dinâmico. Um futoro que para muitos e impossivel, porem, se lembrarmos que hoje em dia ja temos robos fazendo alguns papeis humanos veremos que não e tão distante assim.Porem, espero que não aconteça pois nada substitue o contato fisico. esser filme nos remete a fazer uma reflexão para termos cuidado com certos tipos de tecnologias e invenções. MUito bom o filme, quem não assistiu não perca essa oportunidade.

    Like 0 Short URL:
  • Guest - Chanceller Martok (Alexandro Paulo)

    Cara, eu já tinha gostado muito do filme, mas a revista é 1000 vezes melhor. A obra de Robert Venditti e Brett Weldele se compara a Watchmen, e deve até ter coisas que eles se inspiraram, para fazer a ambientação entre os capítulos da mesma forma que Moore fez em sua famosa revista.

    Ele vai fundo nas mudanças que os Substitutos trouxeram à sociedade, fazendo um questionamento profundo sobre espectativas, perspectivas, sentimentos, causas e consequências, verdade, hipocrisia, segredos...

    Se essa revista não ganhou nenhum prêmio, é uma injustiça enorme. É uma leitura altamente recomendada para todos os públicos.

    Like 0 Short URL:
  • Guest - Findreans ( Eduardo Castelhano )

    Esse não ganhou nenhum premio pelo que pude constatar.
    A longo tempo atras cheguei a procurar isso, mas não achei nada. Na época que este saiu sairam juntos "Do Inferno" do Alan Moore e
    "300" do Frank Miller, então ficou meio apagado.
    Depois saiu uma outra graphic novel passada 15 anos ANTES desta ai, mas não saiu em portugues, talvez porque esta não vendeu tanto para que justificasse publicar a outra.

    Por sinal o filme tambem não levou nada... não teve tanto apelo para isso e scifi tem aquele conceito preconcebido que voce já conhece.

    Comment last edited on about 6 years ago by Findreans ( Eduardo Castelhano )
    Like 0 Short URL:
  • Guest - Chanceller Martok (Alexandro Paulo)

    Cara esse roteiro nos leva a muitas reflexões do que somos e do que almejamos ser, reflexões de grosso calibre, ainda mais se analisarmos o que é vendido como certo e errado pela mídia e pela TV. O mais triste é que esse é um roteiro 10000 melhor que Avatar e pouca gente sabe dele. Uma idéia louca: Imagine se o Cameron tivesse feito esse filme? Será que ele manteria o roteiro ou o deturparia para transformá-lo num blockbuster?

    É uma injustiça total Substitutos não ter ganho um prêmio. Merecia até um prêmio Hugo, não lembro se esse prêmio tem quadrinhos como categoria, se não tiver, acho que tinha que criar.

    Like 0 Short URL:
  • Guest - Findreans ( Eduardo Castelhano )

    A publicação lá fora, é classificada como indie, ou seja, ela não foi uma publicação de mainstream como a maioria dos quadrinhos mais conhecidos são. A unica coisa que se falou sobre ele é que chegou a ser um best seller no new york times, fora isso, nem indicação para premio levou.
    Já o HUGO tem um premio para graphic story, que inclui nominações de quadrinhos, mas o premio passou a existir em 2009, então só houveram 2 premiados. A revista é muito anterior a esta data, é de 2005.
    Quanto ao Cameron, eu imagino que ele iria levar para o lado blockbuster mesmo, por bem ou por mal, porque segundo consta, o roteiro que ele pensou do Avatar ele teve que mudar por pressão da produtora ( leia FOX aqui ).

    Like 0 Short URL:

Últimos Comentários

Guest - Romildo lima
Li e Recomendo. simplesmente Alexey rickmann nos mostra que temos grandes potencia na literatura Nac...
Mesmo no novo endereço, que você citou, a loja não existe mais. Conversando com o dono, ele disse qu...
Guest - Leonardo
Na verdade eles se mudaram para este endereço: 33 Avenida Treze de Maio 20031-007 Rio de Janeiro S...
Guest - Karla Lopez
Eu gostei o filme. Lembro dos seus papeis iniciais, em comparação com os seus filmes atuais, e vejo ...
Guest - Ogro
Fala, Chança!!!! Gostei do texto... Essa é uma das poucas estórias do Super que eu curto. Um grand...

Login