Resenha de filme : LUCY

lucy cartazJá que falamos antes da Scarlett Johansson, segue a resenha deste filme, que é mais um que parte da lenda dos \"10% de capacidade\" do nosso cérebro.

 

Lucy estava acompanhando um cara que estava envolvido em uma transação de drogas, porém o seu acompanhante fora morto pelos traficantes e Lucy fora obrigada a virar mula para transportar uma nova droga sintética. Carregando a droga em seu estômago, Lucy sofre golpes na área da barriga e a droga é liberada em seu corpo, sendo absorvida pelo mesmo. A droga faz com que a capacidade mental de Lucy aumente e ela passa a possuir alta capacidade de raciocínio e capacidades sobre-humanas. Lucy entra em contato com o professor Norman, que é o maior estudioso sobre as possibilidades do cérebro caso o mesmo passe “da limitação de 10% de sua capacidade”, porque a vida de Lucy está limitada devido a atual mudança. Lucy passa a procurar localizar as outras mulas da droga, pois acredita que a solução para o prolongamento de sua vida começará com a aquisição da droga que iniciou toda essa situação.

A base desse filme é a teoria de que o cérebro humano somente utiliza 10% do todo e que, se o cérebro passasse a usar uma porcentagem maior, teríamos capacidades desconhecidas, podendo até adquirirmos superpoderes.

lucy 01Lucy e o professor

 

Essa ideia já havia sido explorada em um filme chamado Sem Limites ( resenha aqui neste link, abre em outra janela ). Mas diferente daquele filme, esse resolveu partir para o exagero. Típico de filmes desse diretor. Enquanto lá tínhamos mais a questão da velocidade de raciocínio, com o aumento da capacidade de dedução e até a ampliação das percepções e sensações, aqui temos um monte de situações surreais, como a capacidade de “ver” sinais eletromagnéticos e até manipular os mesmos e desintegrar o corpo.

Muito do que aparece no filme, mesmo que o cérebro aumentasse sua capacidade de processamento, não aconteceria, como por exemplo, ouvir sons e vozes que estão fora do alcance auditivo, porque a limitação não depende do som ser processado ou não, e sim, da própria limitação do ouvido humano.

lucy 02Capacidades sobre-humanas em ação.

O filme segue uma progressão do aumento da capacidade através da indicação de em que ponto em porcentos o cérebro de Lucy atingiu naquele momento. Por isso, os seus “poderes” acompanham essa progressão. Tudo parece progredir em uma escalada de matar qualquer x-man de inveja até o ápice óbvio, atingir o 100%, no qual o próprio professor Norman, estudioso do assunto, declarou que “nem imagina o que possa ocorrer”.

Os efeitos são poucos, porém competentes e a parte de ação não decepciona os que gostam das mesmas.

O filme serve como uma diversão mais descompromissada. É mais voltado para aqueles que preferem ação e daqueles que gostam de filmes de superpoderes ou os fãs mais radicais da Scarlett Johansson.

 

 

 

 

Leave your comments

Post comment as a guest

0
  • Detestei esse (desculpe Scarlett <3)! Dessa vez Luc Besson errou a mão, mas acho que minha birra com o filme é saber que esse papo todo de uso limitado do cérebro é mito, já que sabe-se que usamos 100% dele o tempo todo (Mais infos aqui > http://www.projetoockham.org/boatos_cerebro_1.html ). Pra mim é aquele filme que vi uma vez, obrigado, e não quero ver de novo nunca mais. =[

    Like 0 Short URL:
  • Eu vi o trailer desse filme no cinema e ali já tinha decidido que não veria. O erro cometido nesse filme é muito comum, inventar um poder e não ter a mínima ideia do que fazer com ele e a influência que teria no universo usado como pano de fundo. Mais um que eu vou deixar passar.

    Like 0 Short URL:
  • Guest - Maykon

    Eu não vi, nem verei este filme por um simples motivo:

    Se um médico dissesse que você tem câncer cerebral, qual seria sua reação?

    De alívio? Pois deveria ser, já que só usamos dez míseros per centos do cérebro! As chances do câncer atingir uma área inútil seriam de 90%, olha só que beleza!

    Mas é alívio o que sentimos? Não! Porque não? Porque usamos o cérebro por inteiro, é óbvio! Não é a toa que entramos em desespero... Não é a toa que é considerado o tipo mais violento e mortal de câncer...

    Like 0 Short URL:

Últimos Comentários

Guest - Romildo lima
Li e Recomendo. simplesmente Alexey rickmann nos mostra que temos grandes potencia na literatura Nac...
Mesmo no novo endereço, que você citou, a loja não existe mais. Conversando com o dono, ele disse qu...
Guest - Leonardo
Na verdade eles se mudaram para este endereço: 33 Avenida Treze de Maio 20031-007 Rio de Janeiro S...
Guest - Karla Lopez
Eu gostei o filme. Lembro dos seus papeis iniciais, em comparação com os seus filmes atuais, e vejo ...
Guest - Ogro
Fala, Chança!!!! Gostei do texto... Essa é uma das poucas estórias do Super que eu curto. Um grand...

Login